segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Dia dos Mártires da Liberdade

A História de Portugal, tal como nos é habitualmente apresentada, dá-nos uma imagem bastante positiva dos descobrimentos e da nossa relação com as colónias. Contudo, se olharmos com atenção, ou se procurarmos ver outras perspectivas e outras vozes sobre estas questões, vemos que o panorama quase idílico que pensamos conhecer apresenta muitas (demasiadas?) nuvens negras.
sss
Ontem, 3 de Fevereiro, celebrou-se o Dia dos Mártires da Liberdade, mais conhecido por dia do massacre de Batepá. Em 1953 o Governador Gorgulho, perante a revolta dos locais que não aceitavam ir trabalhar à força nas Roças, para as quais os trabalhadores que vinham de outras colónias não eram suficientes, terá mandado prender, torturar e matar, segundo algumas fontes, cerca de um milhar de pessoas. Muitas dessas terão sido depois lançadas na praia de Fernão Dias, onde se encontra o monumento que recorda esse episódio.
kkkkk
Este momento marca, segundo a historiografia local, o nascimento do espírito nacionalista em São Tomé e Príncipe. Para saber mais passe por aqui e por aqui.

2 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

Eu sempre considerei a época dos Descobrimentos como sendo uma das mais violentas da História! Grandes estragos se fizeram devido, talvez, aos espíritos pouco preparados em aceitar o "outro" ou a "diferença".
Contudo, a escravatura já era uma prática de muitos povos africanos... Infelizmente os "descobridores" ou colonizadores massificaram-na e prolongaram-na.
O ser humano é uma espécie bem maldita!